Sistema

Quando pensamos sobre o futuro das tecnologias sempre remetemos aos robôs, né? Mas, hoje em dia, o que realmente temos de novo? Um grande passo para esse futuro distópico é o framework Vue.js. Se ficou interessado, continue lendo que vou te explicar o que é isso.

Vue.js: o que é?

1920 1080 Mayara Oliveira

Quando pensamos sobre o futuro das tecnologias sempre remetemos aos robôs, né? Mas, hoje em dia, o que realmente temos de novo? Um grande passo para esse futuro distópico é o framework Vue.js. Se ficou interessado, continue lendo que vou te explicar o que é isso.

Mas, antes, preciso falar sobre o que é um framework nesse contexto. Basicamente, é um template para sites com diversas funções prontas que podem ser usadas pelo desenvolvedor. Nessas funções, já existem alguns itens finalizados, o que auxilia no gerenciamento ágil de projetos. Agora que já sabemos sobre o framework, vamos entender um pouco mais sobre o Vue.js?

O Vue.js, é um framework progressivo de JavaScript de código aberto (open source) para a construção de interfaces de usuário. A integração acontece de forma efetiva em projetos que utilizam outras bibliotecas JavaScript. E foi projetado para ser adotado de forma incremental e também pode funcionar como uma estrutura de aplicativos web capaz de alimentar aplicações avançadas de uma única página.

Vue.js nas empresas

Algumas empresas, nacionais e internacionais, estão utilizando-o para desenvolver novas ferramentas. No Japão, a Linecorp e a Nintendo já utilizam essa tecnologia. Já no Reino Unido, a Sainsbury’s faz uso em larga escala do Vue.js. Bem como alguns projetos de código aberto, como: Laravel, GitLab e PageKit.

Com esses gigantes do mercado utilizando, você pode se perguntar: a Prod utiliza? Sim! Nós utilizamos para vários projetos. Estamos em fase final de testes de um aplicativo para um grande cliente nosso do ramo de aço e siderurgia, no qual utilizamos o Vue.js para a construção das interfaces do usuário.

O Vue.js está se popularizando e com uma forte presença internacional. Sendo uma tecnologia que cresce rapidamente, a tendência é que fique cada vez mais popular nos próximos anos.

E aí, gostou? Analise alguns pontos da criação de um aplicativo. E, se você quiser conversar sobre algum projeto seu, vamos bater um papo! Vai ser muito legal te ajudar nesse processo.

7 pontos para analisar antes de criar um aplicativo

1920 1080 Leonardo Pereira

Os aplicativos nasceram para facilitar a vida dos usuários e, hoje em dia, existe app pra tudo: chamar táxi, pedir comida, lembrar de beber água, encontrar um crush… Enfim! É uma gama enorme de possibilidades dentro do mundo mobile. Porém, muitos leads chegam aqui na Prod com um pensamento abstrato das funcionalidades que o app vai ter. E aí fica a pergunta: o que vem após a ideia? O que devemos considerar antes de criar um aplicativo? É sobre isso que vamos conversar hoje.

O que analisar antes de criar um aplicativo?

Um cliente do ramo farmacêutico nos procurou com uma necessidade muito específica. A empresa queria criar um app para ajudar os médicos a dosarem os medicamentos. Depois de reuniões criativas e brainstormings, criamos um aplicativo em que o médico indica informações sobre o paciente e depois escolhe qual medicamento ele irá prescrever. Apenas com essas indicações, o app fornece uma tela com layout intuitivo e com diversas informações úteis, como as doses a serem receitadas e a minibula do medicamento.

Mas, antes de realizarmos todo esse processo, o cliente precisou analisar uma série de itens que vou detalhar, separadamente, abaixo.

Público-alvo: você precisa descobrir se há, de fato, um público para o seu aplicativo. Vamos supor que você queira criar um app que alerte os brasileiros sobre perigos com furacão. Obviamente, não vai dar certo, pois aqui no Brasil há pouca incidência desse tipo de desastre natural. Entende? Se não há demanda, não vai ter procura. Sem procura, sem downloads.

Objetivo do app: se você não tiver os objetivos bem claros e definidos, seu app corre o risco de ser um fracasso. É preciso entender quais serão as funcionalidades e quais atividades o usuário poderá desenvolver com esse software.

Permissões do app: é essencial, também, entender quais serão os recursos necessários para desenvolver o aplicativo. Exemplos: será preciso acesso à câmera? Aos contatos? Estará disponível para Android e IOS? Será monetizado? Permitirá anúncios? Receberá comandos de voz?

Política de privacidade: esse passo é muito importante, pois será nele onde você descreverá o que fará com os dados dos usuários e o quão seguro é seu aplicativo.

Classificação indicativa: existem seis classificações que vão do “livre” ao “+18”. Saiba mais sobre as classes aqui.

Concorrência: faça uma análise de mercado! Isso é vital para você entender se terá concorrentes ou não. Se tiver, pense em um diferencial, afinal, seu app precisará superar o produto do seu oponente.

Profissionais capacitados: nada melhor do que deixar seu projeto na mão de quem sabe como fazer. Uma agência digital pode desenvolver seu aplicativo com tecnologias de ponta, fazendo você economizar tempo e dinheiro. E, claro, honrar com prazos e ser assertiva quanto ao cronograma de entrega.

Bom, agora que você analisou os sete pontos cruciais, chegou a hora de colocar a mão na massa. Se ainda houver dúvidas, vamos bater um papo! Ficaremos felizes em te ajudar nesse processo. 🙂

12 boas práticas para arrasar no e-mail marketing

1920 1080 Leonardo Pereira

É sério que você acreditou nesse papo que e-mail marketing já não é uma boa estratégia de mkt digital? Não se engane, viu? Neste ano a RockContent fez uma pesquisa e descobriu-se que 76,8% dos entrevistados já compraram algo a partir do recebimento de uma newsletter. Então, vem comigo descobrir porque vale a pena investir nessa estratégia e depois te conto 12 boas práticas para arrasar no e-mail marketing.

Vale a pena investir em e-mail marketing?

Estamos na era digital e um grande fluxo de pessoas acessam seus e-mails diariamente, sobretudo pelo celular. Logo, e-mail marketing é uma ótima maneira de fazer deste índice um canal de conexão direta com seu consumidor. Um grande parque hotel, cliente aqui da Prod, consegue em somente um disparo:

    • Fazer links para suas diferentes mídias digitais, como: site, blog, Facebook, Instagram e outras;
    • Aumentar a sua presença online e consolidar mais um meio de suporte para o cliente;
    • Agregar valor na sua marca ao fazer um contato que engaje e seja a cara do seu público;
    • Segmentar o disparo apenas para uma base específica de pessoas, auxiliando em técnicas como o re-marketing ou nutrição para novos leads;
    • Falar sobre promoções, eventos especiais e agendas mensais;
    • Consolidar sua régua de relacionamento ao enviar mensagens em aniversários e datas especiais para os hóspedes;
    • Além de outras funcionalidades, como: retenção de cliente, conhecimento do público, etc.

Esses são apenas alguns dos inúmeros motivos, com base no sucesso dos nossos clientes, para acreditar que e-mail marketing ainda está com tudo e que ele pode fazer a diferença se for bem planejado. Leia mais sobre o conceito do e-mail marketing e assuntos impossíveis de ignorar.

Quer mais um graaande exemplo disso? A Prod é a maior consumidora de disparos no estado de Minas Gerais da Dinamize (nossa querida plataforma de envio), algo em torno de 1 milhão de e-mails ao mês. Também, estamos eliminando cada vez mais as taxas de erros e descadastros em nossas bases. Sendo essas apenas algumas das inúmeras otimizações que fazemos e que geram um grande impacto positivo no resultado do cliente.

Com o público crescendo e as ferramentas se aprimorando, estamos numa era em que podemos enviar newsletter super personalizadas e com alto nível de customização. Porém, não se engane ao pensar que podemos encher as caixas de entrada das nossas bases com muitos disparos ou usar muita extravagância nos layouts. É preciso um equilíbrio, por isso vou te contar 12 boas práticas para arrasar no e-mail marketing.

12 boas práticas para arrasar no e-mail marketing

1 – Personalizar um e-mail marketing deixa tudo mais pessoal e encantador para quem o recebe – deixe-o tão legal quanto tomar uma cerveja com os amigos;
2 – Quanto menor e mais interessante for o assunto, mais o e-mail se tornará atraente para sua base (evite caixa alta e excesso de pontuação);
3 – Evite o excesso de disparos, afinal, quem nunca colocou uma marca irritante como spam?
4 – Use verbos de ação no seu CTA’s, pois induz ao clique;
5 – Coloque links nas imagens e nos CTA’s;
6 – Insira rodapé ou topo para que os cadastrados reconheçam quem é o remetente;
7 – Faça testes A/B de assunto, conteúdo e remetente;
8 – Segmente e personalize suas listas para envios mais pessoais e de interesse certo do seu público;
9 – Respeite os melhores horários e os dias de maior abertura;
10 – Limpe o mailing com frequência para diminuir erros;
11 – Use sempre 50% de html nos disparos, a chance de se tornar spam será menor;
12 – Padronize o remetente para passar confiança e atingir melhores resultados na abertura – tanto no nome, quanto no e-mail.

Ufa! Depois de tantas dicas, se você quer bater um papo, é só entrar em contato. 😉 Vamos ter um prazer enorme em te ajudar.

5 vantagens de ter um site em Wordpress

5 vantagens de ter um site em WordPress

1920 1080 Leonardo Pereira

Estamos na era da presença digital e ter um site ou blog é um grande passo para estar corretamente inserido nas plataformas web. Mas, você sabe qual a melhor plataforma para gerenciar seus conteúdos? Neste texto, você vai conhecer 5 vantagens de ter um site criado no WordPress (ou WP).

O WordPress é um CMS – sigla em inglês que o define como um sistema de gerenciamento de conteúdo. Você deve estar se perguntando o que é isso, né? Simples! É um sistema que permite criar, editar, gerenciar e publicar conteúdos em plataformas digitais sem conhecimento das linguagens de programação. É tão fácil que parece mágica – só cuidado para não tirar um coelho da cartola, ein?

Vou te dar um exemplo de como usamos aqui na Prod: um cliente focado em saúde e bem estar adquiriu a criação de um site. Depois de um profundo estudo de UX e UI com a equipe de Design, esse projeto é passado para os Dev’s que vão desenvolver, no WordPress, o front-end (a parte visual) e o back-end (a parte dos códigos). Agora que está pronto, ele poderá fazer a inserção dos conteúdos pelo WP. Também, qualquer alteração posterior será feita por lá.

Não é a toa que o WordPress é a plataforma mais utilizada no mundo. Algumas pesquisas apontam que mais de 30% dos sites existentes no mundo todo são feitos nele. É bastante coisa, né? E aí você me pergunta, “mas por que tudo isso?” e, logo abaixo, vou te contar alguns motivos pelo qual o WP conquistou tantos corações – inclusive os nossos aqui na Prod.

5 vantagens de ter um site no WordPress

Interface intuitiva:

O manejo é muito simples (tanto para os Dev’s que construirão seu site, quanto para você alimentá-lo com seus conteúdos). Eles são feras em experiência do usuário, então, o layout é bem simples de navegar. Nossos clientes sempre elogiam a facilidade de manusear o WP.

Economia de tempo e dinheiro:

O WordPress facilita a criação do projeto, assim, promove economia nas horas gastas e, consequentemente, no preço final. Também, o WP é grátis! Obviamente, existem áreas pagas, porém todo o gerenciamento para criar e editar conteúdos é gratuito.

Fórum dos usuários:

Dentro do WordPress há um fórum onde especialistas e leigos na área interagem ajudando quem possui dúvidas e dividem as suas experiências com a plataforma.

SEO:

O WP acompanha a realidade do SEO há algum tempo e vem otimizando seus códigos para que os motores de busca, como o Google, encontrem facilmente o seu site. Também, podemos inserir plugins para verificar onde nossos textos podem melhorar em questão de SEO (aqui na Prod, utilizamos o Yoast SEO).

Design responsivo:

Todos os nossos projetos são responsivos, ou seja, adaptam-se para uma maior usabilidade em dispositivos móveis e desktops. E o WordPress agiliza esse processo ao facilitar a transição dos códigos entre uma versão e outra.

Enfim, a maioria dos sites e blogs que entregamos são desenvolvidos em WordPress, pois sabemos que nossos clientes (e até nós mesmos) podem economizar tempo e dinheiro. Obviamente, sempre testamos novas tecnologias e plataformas – se descobrirmos mais alguma, contaremos para você aqui no blog.

Se precisar de mais informações, fale com a gente! Vai ser muito legal te auxiliar nesse processo. 😉

SSL: saiba tudo sobre segurança de navegação!

1920 1080 Marcela Lisbôa

Lembra quando conversamos, aqui no blog, sobre a importância do HTTPS? Se você não se lembra, é bom dar uma olhadinha antes de começarmos por aqui. Afinal, hoje vamos esbarrar nele para falar sobre o SSL (Secure Socket Layer).

O certificado SSL é o grande responsável pelo funcionamento do HTTPS, oferecendo a proteção dos dados do usuário dentro de um site.

Atualmente, o Google passou a considerar o uso do certificado como um dos principais fatores de ranqueamento com base em SEO. Então, sites sem essa tecnologia perdem relevância para o buscador, o que torna difícil alcançar um bom posicionamento orgânico.

Não é para menos! A função do SSL é impedir que usuários mal-intencionados roubem informações confidenciais daqueles que acessam o seu site. Deste modo, a troca de informações que rola entre o site e o usuário é criptografada, tornando a navegação muito mais segura e confiável.

Temos exemplos muito claros: os e-commerces e sistemas bancários utilizam essa tecnologia há muito tempo, por conta das transações financeiras online. Tá vendo como é muito importante ter o SSL?

Como identificar sites seguros?

É fácil identificar um site com o certificado: no navegador Google Chrome, por exemplo, basta olhar para a barra de endereços no navegador e verificar se existe um cadeado verde antes do link do site. Se houver, quer dizer que você está em uma navegação segura, com certificação SSL.

Mas e se o site não apresentar o cadeado verde? Bom, aí você deve ter consciência de que seus dados podem não estar seguros ali. Se o site for seu, é hora de garantir o SSL para não prejudicar seu desempenho no Google e proteger os dados dos visitantes, certificando a autenticidade do seu site.

Como instalar o certificado SSL?

Você deve adquirir o certificado SSL efetuando uma compra. Como há diversas especificações do certificado, o valor varia de acordo com a necessidade do site. Mas há três tipos principais:

  • Validação do Domínio: com nível de segurança e criptografia básicos, ele valida a confiabilidade do domínio. Tem custo mais acessível.
  • Validação da Organização: de nível intermediário, valida também as informações da organização, isto é, da dona do domínio. Essa validação é muito indicada para e-commerces, por exemplo.
  • Validação Estendida: certificação mais completa e que oferece o maior nível de segurança. Ela é indicada para grandes empresas.

Além disso, é importante saber que o certificado precisa ser renovado periodicamente, com um novo pagamento.

Depois de comprar o certificado SSL, é hora de instalá-lo em seu site. O ideal é solicitar ao seu desenvolvedor para que a instalação seja realizada de forma correta.

Nós já instalamos o SSL em muitos dos sites que a Prod gerencia e incentivamos nossos clientes a investirem no certificado. O Mira Serra é um deles: https://www.hotelmiraserra.com.br/

Teste a otimização do seu site com o PageSpeed

1920 1080 Marcela Lisbôa

Quando você acessa um site e ele demora para carregar, você espera ou desiste? Desistir é o comportamento de muitos usuários. No mobile, metade dos visitantes desistem durante o carregamento. Então, para garantir que as pessoas acessem seu site, ele precisa ser o mais rápido e leve possível.

Aliás, não é somente o número de acessos que sofre com um site lento. O ranqueamento do site nos buscadores, a experiência do usuário e as suas conversões são influenciadas negativamente. Ou seja, você tem razões de sobra para considerar a velocidade do seu site como um ponto de melhoria! Pensando nisso, separamos duas ferramentas para te indicar:

PageSpeed

Identificar a velocidade de carregamento é o primeiro passo. Para isso, você pode usar a ferramenta PageSpeed Insights, do Google. Ela fará uma avaliação da otimização do seu site de 0 a 100, tanto para desk como para mobile. Aí, é só considerar as alterações que a ferramenta irá te sugerir.

Test My Site

Outra ferramenta superinteligente do Google é a Test My Site, do Think With Google, que confere como está a sua velocidade de carregamento somente em dispositivos móveis e até te mostra a porcentagem de quantos visitantes você pode perder com a lentidão do seu site. Você ainda pode receber um relatório completo por e-mail.

A gente adota algumas práticas para todos os sites que desenvolvemos, já pensando na otimização. Além disso, ainda seguimos as diretrizes do Google. Mas, você pode sempre ficar de olho em coisas como:

  • Compactação de imagens
  • Uso do cache do navegador
  • Tamanho do HTML
  • Ferramentas adicionais, como o AMP

Foi pensando em pontos assim que conseguimos garantir a pontuação 100 com o site da Pousada do Verde:

 

A otimização do seu site pode depender de diferentes fatores, por isso, se quiser tirar dúvidas, pode contar com a gente!

O PWA pode ajudar no aumento de acessos e na retenção de usuários

PWA: tudo o que você precisa saber

1920 1080 Marcela Lisbôa

O Progressive Web Apps, mais conhecido como PWA, está mudando a forma como os usuários navegam.

Atualmente, as marcas podem oferecer duas formas de navegação: pelo site ou pelo aplicativo mobile. Mas é possível contar também com o PWA, que traz alguns dos benefícios dos apps para a praticidade de acesso dos sites.

O que é o PWA?

O PWA surgiu como uma alternativa para o universo mobile, que dominou o cotidiano. Apesar de o crescimento do uso de smartphones ter gerado uma onda de aplicativos, percebe-se que o investimento em apps nativos não converte tantos resultados. Isso acontece porque os apps mais utilizados são os sociais, bancários e de geolocalização. Então, os demais aplicativos, acabam tendo uso esporádico.

É por isso que o PWA pode ajudar no aumento de acessos e na retenção de usuários. Afinal, ele é um aplicativo web que utiliza as funcionalidades mais atuais dos navegadores na busca de uma experiência parecida com a dos apps.

Ele possui funcionalidades que, até então, só eram fornecidas por apps. Porém, suas funcionalidades são disponibilizadas progressivamente.

Características do PWA

O Google listou três características básicas do PWA: ser confiável, rápido e atraente.

  • Confiável: Com o pré-armazenamento do cache, possui um carregamento instantâneo. Assim, o usuário pode acessá-lo sem depender da rede.
  • Rápido: Oferece resposta rápida às interações e comandos do usuário. Além disso, tem animações leves e sem rolagem.
    O Google prevê que 53% dos usuários podem abandonar o site se ele levar mais de 3 segundos para carregar, por isso a rapidez do PWA é tão importante.
  • Atraente: Apresenta a aparência de um app natural, criando uma experiência imersiva. Além disso, são instaláveis e podem ficar na tela inicial do usuário, sem precisar de uma loja de apps. Inclusive, podem conter até push notifications.
    O usuário também pode definir a orientação da tela para carregá-lo, qual página abrir ao iniciar e até optar mostrar ou não o navegador.

Além dessas três características, podemos citar ainda que o PWA é responsivo, atual, seguro, envolvente e linkável.

Existe alguma desvantagem?

O PWA não consegue acessar todos os recursos de um smartphone, como bluetooth e NFC. Além disso, a Apple ainda não investiu como o Google, a Microsoft e o Mozilla em PWA e, portanto, o Safari não suporta algumas funções.

Para grandes marcas, também pode ser uma desvantagem o fato de não estar dentro de uma loja, como a Apple Store. Afinal, não haverá a possibilidade de ser encontrado aleatoriamente em uma busca entre os apps nativos. Apesar disso, vale ficar de olho no PWA como alternativa dentro do mercado digital.

Https e o seu valor para o SEO dos sites

1920 1080 Helio Marcondes

Você já deve ter observado que, ao acessar muitos sites na web, é possível visualizar a sigla HTTPS antes do link na barra de endereço do navegador. Apesar de comum, muitas pessoas não fazem ideia da importância deste elemento e, muito menos, o que ele significa.
Você ou a sua empresa possuem um site? Se sim, então é melhor verificar se ele já usa este protocolo. Nós vamos explicar o porquê:

Primeiramente o que é o “HTTP” e “HTTPS”?

O http, ou Hypertext Transfer Protocol, é um protocolo de comunicação. Ele permite a troca de informações entre o seu computador e um servidor onde está localizado um site.

O HTTPS é uma versão idêntica ao HTTP, porém com a adição de uma camada de proteção na transmissão de dados. Assim, ele criptografa essa transmissão e evita que os dados sejam interceptados.

Verificar se você está navegando em um site que utiliza o protocolo HTTPS é simples! Basta olhar na barra de endereço e observar se existem as letras HTTPS na cor verde.

Tá, mas qual a ligação entre HTTPS e o SEO do meu site?

O protocolo HTTPS atua como ferramenta de SEO porque é um fator direto no ranqueamento do Google, já que mostra o quão confiável uma página é.

O buscador considera a segurança dos usuários tão importante que, em 2016, lançou uma nota oficial dizendo que o Google Chrome iria exibir um alerta para avisar ao usuário se um site é seguro ou não. Essa nota teve um grande impacto no mercado e fez milhares de empresas se adaptarem.

O aviso de “site seguro” é normalmente encontrado em formulários de cadastro e compra. Nestes sites, são transmitidos dados sensíveis do usuário, como dados pessoais e senhas. Já pensou se alguém intercepta o seu cartão de crédito e a sua senha? Se você ainda não migrou o seu site para o protocolo HTTPS, já está mais do que na hora de realizar esse processo.

Como colocar HTTPS no meu site?

Há vários fornecedores e empresas que realizam esse tipo de trabalho. Além disso, a maioria dos servidores de hospedagem possuem guias de como inseri-lo em seu site.
Mesmo assim, é bom consultar um profissional qualificado ou uma Agência Digital como a Prod, já que por aqui o uso do protocolo é uma prática comum.

Os chatbots entregam soluções e experiências com bom nível de personalização sem ter que ampliar seu quadro humano de atendimento e com constante coleta de dados e aprendizado.

Chatbot: Simplifique o atendimento ao cliente

1920 1080 Daniel Monteiro

Chatbots estão na moda! Nunca viu um deles por aí? Ah, com certeza já viu e já usou! São charmosos, inteligentes e resolvem parte dos nossos problemas quando fazemos contato com a NET (resolvem?!), Oi, Vivo ou tantas outras empresas e serviços.

Pois é! São a onda do momento e não é para menos. Aliás, já comentamos isso em nosso post das tendências para 2018. Comm um atendimento virtualizado e inteligente, as empresas conseguem ampliar de forma exponencial seu relacionamento com o consumidor, entregando soluções e experiências com bom nível de personalização sem ter que ampliar seu quadro humano de atendimento e com constante coleta de dados e aprendizado.

A ideia é fazer com que o chatbot se pareça com o atendimento humano. Ou melhor, que seja um ser humano (lembra do Teste de Turing?). Assim, a interação dos usuários é absolutamente natural. Afinal, essa é a maior capacidade desses bots: entender a linguagem natural do ser humano e processá-la diante de contextos identificáveis.

Aqui na Prod, estamos em processo de validação de um chatbot para atendimento usando IBM Watson Conversation.

O processo de criação de um chatbot

Criar um chatbot é bastante divertido e desafiante. Segmentar entidades e intenções, construir trilhas de diálogos que exigem bastante análise de uma base de ocorrências prévias, bem como um ótimo entendimento das personas e de suas jornadas de relacionamento com os serviços e marca do nosso cliente. Porém, sempre lembrando de fazer muitos, muitos testes!

Com o protótipo montado, partimos para a fase de validações, e é aqui que estamos, reproduzindo de forma incremental para que o robô de atendimento aprenda sobre o mundo de dados que nosso cliente possui. É claro que esse processo vai ser contínuo e se estender mesmo depois da sua publicação. Isso é fundamental para a evolução do produto.  

Existem aplicações diversas para essa tecnologia, não apenas atendimento. Aliás, temos um campo aberto e ainda relativamente novo com inteligência artificial e machine learning. Estamos só no começo, mas num processo muito rápido de evolução e refinamento de soluções que tendem a diminuir ou mesmo extinguir a barreira entre o virtual e real.

Aguardem os próximos passos… Falaremos em breve!