Sistema

SSL: saiba tudo sobre segurança de navegação!

1920 1080 Marcela Lisbôa

Lembra quando conversamos, aqui no blog, sobre a importância do HTTPS? Se você não se lembra, é bom dar uma olhadinha antes de começarmos por aqui. Afinal, hoje vamos esbarrar nele para falar sobre o SSL (Secure Socket Layer).

O certificado SSL é o grande responsável pelo funcionamento do HTTPS, oferecendo a proteção dos dados do usuário dentro de um site.

Atualmente, o Google passou a considerar o uso do certificado como um dos principais fatores de ranqueamento com base em SEO. Então, sites sem essa tecnologia perdem relevância para o buscador, o que torna difícil alcançar um bom posicionamento orgânico.

Não é para menos! A função do SSL é impedir que usuários mal-intencionados roubem informações confidenciais daqueles que acessam o seu site. Deste modo, a troca de informações que rola entre o site e o usuário é criptografada, tornando a navegação muito mais segura e confiável.

Temos exemplos muito claros: os e-commerces e sistemas bancários utilizam essa tecnologia há muito tempo, por conta das transações financeiras online. Tá vendo como é muito importante ter o SSL?

Como identificar sites seguros?

É fácil identificar um site com o certificado: no navegador Google Chrome, por exemplo, basta olhar para a barra de endereços no navegador e verificar se existe um cadeado verde antes do link do site. Se houver, quer dizer que você está em uma navegação segura, com certificação SSL.

Mas e se o site não apresentar o cadeado verde? Bom, aí você deve ter consciência de que seus dados podem não estar seguros ali. Se o site for seu, é hora de garantir o SSL para não prejudicar seu desempenho no Google e proteger os dados dos visitantes, certificando a autenticidade do seu site.

Como instalar o certificado SSL?

Você deve adquirir o certificado SSL efetuando uma compra. Como há diversas especificações do certificado, o valor varia de acordo com a necessidade do site. Mas há três tipos principais:

  • Validação do Domínio: com nível de segurança e criptografia básicos, ele valida a confiabilidade do domínio. Tem custo mais acessível.
  • Validação da Organização: de nível intermediário, valida também as informações da organização, isto é, da dona do domínio. Essa validação é muito indicada para e-commerces, por exemplo.
  • Validação Estendida: certificação mais completa e que oferece o maior nível de segurança. Ela é indicada para grandes empresas.

Além disso, é importante saber que o certificado precisa ser renovado periodicamente, com um novo pagamento.

Depois de comprar o certificado SSL, é hora de instalá-lo em seu site. O ideal é solicitar ao seu desenvolvedor para que a instalação seja realizada de forma correta.

Nós já instalamos o SSL em muitos dos sites que a Prod gerencia e incentivamos nossos clientes a investirem no certificado. O Mira Serra é um deles: https://www.hotelmiraserra.com.br/

Teste a otimização do seu site com o PageSpeed

1920 1080 Marcela Lisbôa

Quando você acessa um site e ele demora para carregar, você espera ou desiste? Desistir é o comportamento de muitos usuários. No mobile, metade dos visitantes desistem durante o carregamento. Então, para garantir que as pessoas acessem seu site, ele precisa ser o mais rápido e leve possível.

Aliás, não é somente o número de acessos que sofre com um site lento. O ranqueamento do site nos buscadores, a experiência do usuário e as suas conversões são influenciadas negativamente. Ou seja, você tem razões de sobra para considerar a velocidade do seu site como um ponto de melhoria! Pensando nisso, separamos duas ferramentas para te indicar:

PageSpeed

Identificar a velocidade de carregamento é o primeiro passo. Para isso, você pode usar a ferramenta PageSpeed Insights, do Google. Ela fará uma avaliação da otimização do seu site de 0 a 100, tanto para desk como para mobile. Aí, é só considerar as alterações que a ferramenta irá te sugerir.

Test My Site

Outra ferramenta superinteligente do Google é a Test My Site, do Think With Google, que confere como está a sua velocidade de carregamento somente em dispositivos móveis e até te mostra a porcentagem de quantos visitantes você pode perder com a lentidão do seu site. Você ainda pode receber um relatório completo por e-mail.

A gente adota algumas práticas para todos os sites que desenvolvemos, já pensando na otimização. Além disso, ainda seguimos as diretrizes do Google. Mas, você pode sempre ficar de olho em coisas como:

  • Compactação de imagens
  • Uso do cache do navegador
  • Tamanho do HTML
  • Ferramentas adicionais, como o AMP

Foi pensando em pontos assim que conseguimos garantir a pontuação 100 com o site da Pousada do Verde:

 

A otimização do seu site pode depender de diferentes fatores, por isso, se quiser tirar dúvidas, pode contar com a gente!

O PWA pode ajudar no aumento de acessos e na retenção de usuários

PWA: tudo o que você precisa saber

1920 1080 Marcela Lisbôa

O Progressive Web Apps, mais conhecido como PWA, está mudando a forma como os usuários navegam.

Atualmente, as marcas podem oferecer duas formas de navegação: pelo site ou pelo aplicativo mobile. Mas é possível contar também com o PWA, que traz alguns dos benefícios dos apps para a praticidade de acesso dos sites.

O que é o PWA?

O PWA surgiu como uma alternativa para o universo mobile, que dominou o cotidiano. Apesar de o crescimento do uso de smartphones ter gerado uma onda de aplicativos, percebe-se que o investimento em apps nativos não converte tantos resultados. Isso acontece porque os apps mais utilizados são os sociais, bancários e de geolocalização. Então, os demais aplicativos, acabam tendo uso esporádico.

É por isso que o PWA pode ajudar no aumento de acessos e na retenção de usuários. Afinal, ele é um aplicativo web que utiliza as funcionalidades mais atuais dos navegadores na busca de uma experiência parecida com a dos apps.

Ele possui funcionalidades que, até então, só eram fornecidas por apps. Porém, suas funcionalidades são disponibilizadas progressivamente.

Características do PWA

O Google listou três características básicas do PWA: ser confiável, rápido e atraente.

  • Confiável: Com o pré-armazenamento do cache, possui um carregamento instantâneo. Assim, o usuário pode acessá-lo sem depender da rede.
  • Rápido: Oferece resposta rápida às interações e comandos do usuário. Além disso, tem animações leves e sem rolagem.
    O Google prevê que 53% dos usuários podem abandonar o site se ele levar mais de 3 segundos para carregar, por isso a rapidez do PWA é tão importante.
  • Atraente: Apresenta a aparência de um app natural, criando uma experiência imersiva. Além disso, são instaláveis e podem ficar na tela inicial do usuário, sem precisar de uma loja de apps. Inclusive, podem conter até push notifications.
    O usuário também pode definir a orientação da tela para carregá-lo, qual página abrir ao iniciar e até optar mostrar ou não o navegador.

Além dessas três características, podemos citar ainda que o PWA é responsivo, atual, seguro, envolvente e linkável.

Existe alguma desvantagem?

O PWA não consegue acessar todos os recursos de um smartphone, como bluetooth e NFC. Além disso, a Apple ainda não investiu como o Google, a Microsoft e o Mozilla em PWA e, portanto, o Safari não suporta algumas funções.

Para grandes marcas, também pode ser uma desvantagem o fato de não estar dentro de uma loja, como a Apple Store. Afinal, não haverá a possibilidade de ser encontrado aleatoriamente em uma busca entre os apps nativos. Apesar disso, vale ficar de olho no PWA como alternativa dentro do mercado digital.

Https e o seu valor para o SEO dos sites

1920 1080 Helio Marcondes

Você já deve ter observado que, ao acessar muitos sites na web, é possível visualizar a sigla HTTPS antes do link na barra de endereço do navegador. Apesar de comum, muitas pessoas não fazem ideia da importância deste elemento e, muito menos, o que ele significa.
Você ou a sua empresa possuem um site? Se sim, então é melhor verificar se ele já usa este protocolo. Nós vamos explicar o porquê:

Primeiramente o que é o “HTTP” e “HTTPS”?

O http, ou Hypertext Transfer Protocol, é um protocolo de comunicação. Ele permite a troca de informações entre o seu computador e um servidor onde está localizado um site.

O HTTPS é uma versão idêntica ao HTTP, porém com a adição de uma camada de proteção na transmissão de dados. Assim, ele criptografa essa transmissão e evita que os dados sejam interceptados.

Verificar se você está navegando em um site que utiliza o protocolo HTTPS é simples! Basta olhar na barra de endereço e observar se existem as letras HTTPS na cor verde.

Tá, mas qual a ligação entre HTTPS e o SEO do meu site?

O protocolo HTTPS atua como ferramenta de SEO porque é um fator direto no ranqueamento do Google, já que mostra o quão confiável uma página é.

O buscador considera a segurança dos usuários tão importante que, em 2016, lançou uma nota oficial dizendo que o Google Chrome iria exibir um alerta para avisar ao usuário se um site é seguro ou não. Essa nota teve um grande impacto no mercado e fez milhares de empresas se adaptarem.

O aviso de “site seguro” é normalmente encontrado em formulários de cadastro e compra. Nestes sites, são transmitidos dados sensíveis do usuário, como dados pessoais e senhas. Já pensou se alguém intercepta o seu cartão de crédito e a sua senha? Se você ainda não migrou o seu site para o protocolo HTTPS, já está mais do que na hora de realizar esse processo.

Como colocar HTTPS no meu site?

Há vários fornecedores e empresas que realizam esse tipo de trabalho. Além disso, a maioria dos servidores de hospedagem possuem guias de como inseri-lo em seu site.
Mesmo assim, é bom consultar um profissional qualificado ou uma Agência Digital como a Prod, já que por aqui o uso do protocolo é uma prática comum.

Os chatbots entregam soluções e experiências com bom nível de personalização sem ter que ampliar seu quadro humano de atendimento e com constante coleta de dados e aprendizado.

Chatbot: Simplifique o atendimento ao cliente

1920 1080 Daniel Monteiro

Chatbots estão na moda! Nunca viu um deles por aí? Ah, com certeza já viu e já usou! São charmosos, inteligentes e resolvem parte dos nossos problemas quando fazemos contato com a NET (resolvem?!), Oi, Vivo ou tantas outras empresas e serviços.

Pois é! São a onda do momento e não é para menos. Aliás, já comentamos isso em nosso post das tendências para 2018. Comm um atendimento virtualizado e inteligente, as empresas conseguem ampliar de forma exponencial seu relacionamento com o consumidor, entregando soluções e experiências com bom nível de personalização sem ter que ampliar seu quadro humano de atendimento e com constante coleta de dados e aprendizado.

A ideia é fazer com que o chatbot se pareça com o atendimento humano. Ou melhor, que seja um ser humano (lembra do Teste de Turing?). Assim, a interação dos usuários é absolutamente natural. Afinal, essa é a maior capacidade desses bots: entender a linguagem natural do ser humano e processá-la diante de contextos identificáveis.

Aqui na Prod, estamos em processo de validação de um chatbot para atendimento usando IBM Watson Conversation.

O processo de criação de um chatbot

Criar um chatbot é bastante divertido e desafiante. Segmentar entidades e intenções, construir trilhas de diálogos que exigem bastante análise de uma base de ocorrências prévias, bem como um ótimo entendimento das personas e de suas jornadas de relacionamento com os serviços e marca do nosso cliente. Porém, sempre lembrando de fazer muitos, muitos testes!

Com o protótipo montado, partimos para a fase de validações, e é aqui que estamos, reproduzindo de forma incremental para que o robô de atendimento aprenda sobre o mundo de dados que nosso cliente possui. É claro que esse processo vai ser contínuo e se estender mesmo depois da sua publicação. Isso é fundamental para a evolução do produto.  

Existem aplicações diversas para essa tecnologia, não apenas atendimento. Aliás, temos um campo aberto e ainda relativamente novo com inteligência artificial e machine learning. Estamos só no começo, mas num processo muito rápido de evolução e refinamento de soluções que tendem a diminuir ou mesmo extinguir a barreira entre o virtual e real.

Aguardem os próximos passos… Falaremos em breve!